Buscar
  • Prof. Dr. César Steffen

A câmera é sua melhor amiga - parte 2

Vamos a algumas dicas práticas de como aprimorar e ter os melhores resultados na vídeo-aula.


Dica 1 – use o tempo do vídeo a seu favor


Mas cuidado com o tempo. Muitas IES têm trabalhado com vídeo-aulas dos mais variados tempos e formatos. Já vi vídeo-aulas de 20, 30 até 60 minutos.


Em sentido contrário, as pesquisas e dados obtidos por sites como YouTube e mesmo provedores de EAD tem demonstrado que a partir dos 8 minutos a curva de atenção nos vídeos começa a cair.


Ou seja, perdemos a atenção do aluno. E todo nosso esforço de organização, planejamento, gravação, etc. pode não ter frutos.


Como superar isso? Bem, eu desenvolvi uma técnica, que é tratar de um tema, um conceito em cada vídeo-aula, e falar a mesma coisa de várias formas diferentes.


Como assim?


Simples, eu organizo o roteiro de aula, ou minhas apresentações PPT –quando posso usar –para a cada 7 ou 8 minutos, no máximo 10, mudar a forma como falo do tema.


Ou seja, eu me mantenho no assunto, mas passo a aborda-lo de forma diferente: trago um case, apresento exemplos, trago ilustrações ou gráficos, etc.


Assim, não somente eu consigo enriquecer meu conteúdo da vídeo-aula com formas diferentes de abordar o mesmo tema, o mesmo assunto, como também ajudo meu aluno a ficar atento.


Dica 2 – problematize


Na medida do possível, problematize o tema da vídeo-aula, trazendo para a realidade cotidiana o tema abordado, e contextualizando com esta realidade.


E a partir disso construa as falas, as lâminas, os conteúdos.


Uma fórmula matemática pode ser aplicada aonde? No cálculo de uma estrutura, de uma área, de dados financeiros? Traga essa situação.


Um conceito ou teoria pode nos ajudar a compreender a situação do mercado de uma determinada região? Use como exemplo.


Há algum fato ou fenômeno recente que pode exemplificar o que você está apresentando? Traga para a aula, utilize em sua construção.


Sim, de tempos em tempos você terá que atualizar isso, estes exemplos. Mas sem problemas, o importante é manter a atenção dos alunos e construir os melhores resultados.


Dicas 3 – Exemplifique, traga para o mundo real


E, junto com isso, traga muitos exemplos aplicados e aplicáveis.


Pense na realidade, no cotidiano do seu aluno.


Onde ele poderá “ver” o que você está ensinado?


Trazer para a realidade, para o dia-a-dia é uma ótima forma de prender a atenção


Ele gosta de futebol? Ele trabalha e está no trânsito diariamente? Ele trabalha e usa serviços públicos? Ou é consumidor de filmes, séries, etc.?


Observe isso no perfil e traga para a sua aula.


Não necessariamente você deverá pedir ou colocar como atividade assistir a um filme ou a um jogo, mas se for possível trazer situações e elementos cotidianos para seu conteúdo, melhor para aquele aluno que está estudando sozinho e vai conseguir trazer o conteúdo para a sua realidade, aprofundando a compreensão.


Uma das melhores aulas de cálculo que já vi – e olha que matemática sempre foi meu fraco na escola - usava receitas de bolo para ensinar percentuais.


E já vi uma aula de geometria usando o futebol, as medidas do campo e os lances, como escanteio, para explicar ângulos.


Também já vi manchetes de jornal para exemplificar a construção de texto e explicar o sentido das palavras.


Muitas são as possibilidades de tratamento e construção do conhecimento. Atente para quem é seu aluno, onde eles está, e faça o seu melhor.


Muitas destas dicas valem também para aulas em áudio e para polígrafos ou e-books. Mas isso tratarei em outros post.


Obrigado.


Prof. Dr. César Steffen




5 visualizações
 
  • Instagram
  • Facebook

©2020 por EAD Sem Mistérios.